Deseducar-se para educar filhos
Por Elisama Santos*
Eu acreditava que educação era um processo automático. Todos sabemos educar, todos sabemos como criar filhos bem sucedidos e felizes. Até que tive o meu primeiro filho e com ele inúmeras dúvidas.

Me dei conta que estudamos para absolutamente tudo na vida, fazemos treinamentos para iniciar novos empregos, lemos sobre os mais diversos assuntos, no entanto não nos preparamos para a missão mais desafiadora, complexa, profunda e intensa que recebemos: educar um ser humano.

Meus anos de pesquisa e estudo me mostram que há muito a entender, que o caminho é longo e, principalmente, que o processo de educar com respeito, sem o uso de castigos físicos ou psicológicos, exige um deseducar do educador.

Desaprendo um pouco a cada dia, construindo com as crianças um novo olhar sobre elas e sobre mim. Seres emocionalmente inteligentes são mais saudáveis, felizes e bem sucedidos. Desenvolver a autodisciplina em vez da obediência, a autonomia, autoestima e a empatia em nossas crianças deveria ser prioridade, visto que o mundo pede mudança!

O que acontece na infância não fica na infância, e boa parte dos nossos problemas de relacionamento e limitações vieram da forma que fomos educados e ensinados a nos enxergar e enxergar o outro. Vamos cuidar de nós e das nossas crianças.

É com foco na criação de seres mais completos, alinhados com a melhor versão de si, emocionalmente inteligentes e conscientes, que converso com pais e mães espalhados pelo País e que, com muita alegria, estarei na Casa de Viver, no dia 26 de Março.

Quero dividir meus estudos e técnicas para lidarmos com os entraves do dia a dia, com respeito aos sentimentos e necessidades de todos na família.

Aguardo você.

*Elisama Santos

é escritora, autora do livro “Tudo eu – confissões de uma mãe sincera” e “{Re}Olhar – acolhendo quem somos e os filhos que temos”. Semeadora da autocompaixão e empatia, sobretudo na vivência materna. http://www.reolhar.com.br/

Deixe Seu Comentário

Loading Facebook Comments ...

Deixe uma resposta