Mais Amor

Por favor. A frase vem sendo escrita pelo artista plástico Ygor Marotta em muros da cidade de São Paulo desde 2009. Como ele mesmo explica, trata-se de “um pedido, uma imploração (mas com educação) em meio a toda agressividade, indiferença e velocidade de uma metrópole como São Paulo”.

Todo mundo que é mãe sabe que, quando os filhos nascem, somos praticamente engolfadas por um tsunami de amor, algo que realmente só quem passou por aquilo pode entender. Mas aí você e a criança, aquele binômio perfeito, se percebem num mundo que tem outras prioridades e surgem inseguranças, dúvidas e medos. E como as outras pessoas respondem a isso? Exatamente como o Ygor, que – veja só, nem tem filhos – descreveu: com agressividade, indiferença e pressa.

A psicopedagoga e escritora argentina Laura Gutman disse sobre o puerpério (mais ou menos os 2 anos depois do nascimento do bebê): “Recordar o puerpério equivale frequentemente a reorganizar as imagens de um período confuso e sofrido, que engloba as fantasias, o parto tal como foi e não como havia querido que fosse, dores e solidões, angustias e desesperanças, o fim da inocência e o inicio de algo que dói trazer outra vez a nossa consciência. Para começar a armar o quebra-cabeça do puerpério é indispensável ter em conta que o ponto de partida é o parto, quer dizer, a primeira grande desestruturação emocional. Como descrevi no livro ‘maternidade e o encontro com a própria sombra ‘para que se produza o parto necessitamos que o corpo físico da mãe se abra para deixar passar o corpo do bebe, permitindo uma certa ‘ruptura’ corporal também se realiza em um plano mais sutil, que corresponde a nossa estrutura emocional. Há um algo ‘que se quebra, ou que se ‘desestrutura’ para conseguir a passagem de ‘ser um a ser dois’.“

Esse é um assunto que circula bastante nos cafés aqui da Casa de Viver. Se você quiser falar mais sobre o assunto apareça aqui qualquer quinta-feira, sempre às 15h. A Fernanda Santiago Torres, psicóloga, conduz uma roda de conversa sem custos e sem julgamentos para as mães compartilharem suas dúvidas e histórias. 

Deixe Seu Comentário

Loading Facebook Comments ...

Deixe uma resposta