Como seria a Casa de Viver em 2020?

A Casa de Viver é, em sua essência, um lugar de integração. De viver o que é importante. De cada um viver, portanto, de forma íntegra e ao mesmo tempo conectada, consigo mesmo e como quem está à sua volta.

Em 2020, como seria um lugar (físico, virtual, mental até!) que possibilitasse a quem está nessa vibe viver tudo isso, mesmo no meio de uma pandemia?

Como esse lugar, justamente no meio dessa pandemia, pode POSSIBILITAR que as pessoas vivam essa integração? Que cuidem de si e dos outros, que se conectem para cocriarmos o que o mundo vai ser, não só depois da pandemia, mas agora, nos próximos dias e meses?

Seria um espaço virtual em que pudéssemos nos conectar praticando diálogo generativo, escuta atenta, um tempo para sentirmos juntos o futuro que quer emergir, na vida de cada um e no coletivo? Essa é uma possibilidade.

Seria um co-living, uma “república” de famílias, em que pudéssemos nos corresponsabilizar pela criação das próximas gerações, aliviar o peso do isolamento (não só da quarentena, mas o isolamento que se instalou na nossa sociedade nos últimos séculos)? É uma possibilidade também.

Essas e muitas outras possibilidades estão aí, abertas, esperando nossa ação de concretizá-las. Só não podemos cair na armadilha de nos acomodar no sofrimento. Suspender a vida esperando a dor passar. Dizer a nós mesmas que somos fortes e vamos dar conta – e continuarmos perdendo. A mentalidade que criou os problemas que enfrentamos coletivamente não vai resolver esses mesmos problemas.

Vamos criar soluções juntes? Eu estou aberta, e a Casa de Viver se coloca mais uma vez de portas abertas para fazer emergir o futuro.

Photo by Pedro Ramos on Unsplash

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *